Imaginários de uma negra juventude: entre o rap, o funk e o cinema

  • Bruno Galindo

A seguinte oficina se apóia em um desejo pulsante básico: pensar e refletir qual a função das imagens nas relações sociais e culturais do Brasil contemporâneo, a partir das referências culturais e históricas da juventude, sobretudo negra.

As referências sugeridas por oficineiros e oficineiras em sala serão a base para a aproximação do pensamento crítico e cotidiano, relacionando as formas do cinema com as formas das imagens cotidianas de modo a trazer a tona como os imaginários sociais, culturais e históricos são construídos. Desse mesmo modo, três conceitos essenciais do cinema (a mise en scene, a narrativa e a decupagem) serão pontos de partida para uma aproximação com as imagens e referências visuais de outros campos.

Conteúdo programático

Conversa 1 – O conceito de encenação (mise en scene) e as contradições da imagem do jovem negro perigoso

Material de Análise

  • Diário de um Detento, Racionais Mcs
  • Rapsódia para o Homem Negro, Gabriel Martins
  • Escolarizando Homens Negros, artigo de Bell Hooks

 

Conversa 2 – O Conceito de Decupagem e a tradição da iconografia no imaginário da juventude negra brasileira

Material de Análise

  • Clipes GR6 e Kondzilla
  • Peripatético, de Jessica Queiroz

 

Conversa 3 – Narrativa afetiva da memória e as possibilidades de futuro pelo audiovisual

Material de Análise

  • Um Bom Lugar, Sabotage | Chave de Ouro, Neguinho do Kaxeta
  • Sample, curta metragem de Anaju Travia
  • Dogma Feijoada no Feminino – artigo de Janaina Oliveira

A quem se destina

Jovens, educadoras(es) e pessoas interessadas no tema.

Precisa de bolsa? Clique aqui

Educadoras(es)

  • Bruno Galindo