TERÇAS-INSURGENTES: Judith Butler

  • Jacqueline Moraes Teixeira

Insurgente

adjetivo e substantivo de dois gêneros
1. que ou aquele que se insurge, se rebela contra algo.

Onde existe dominação e violência, existe insurgência, aquilo que se rebela, que se afirma e que encontra seu caminho pelas brechas e contradições do sistema. Diante do contexto político e social adverso que atualmente vivemos no Brasil, precisamos alimentar pensamentos potentes em vida, esperança e, por que não, em insurgência?

Nas terças-insurgentes de abril, apresentamos as teorias emancipatórias de Judith Butler através da voz da especialista, doutora em Antropologia Social pela USP e professora da FE-USP, Jacqueline Teixeira.

Esta formação pretende esquadrinhar os modos como Judith Butler desenvolve um arcabouço teórico indispensável para a compreensão das relações na modernidade, ao pensar gênero como um instrumento para a produção de uma teoria da ação política. A oficina abordará também conceitos como performatividade, visibilidade, violência e precariedade, para pensar os processos de subjetivação dos corpos, a dimensão pública das subjetividades, o Estado moderno e os movimentos sociais. De modo mais geral, propomos oferecer, a partir da leitura dirigida de alguns textos de Butler, um conjunto de instrumentos analíticos para a apreensão dos fenômenos políticos atuais.

A partir do percurso teórico, buscaremos compreender algumas formas contemporâneas de poder e de desigualdade que são socialmente produzidas, e que acabam por tornarem-se referências na configuração das políticas sociais, suscitando conflitos, intolerância e uma espécie de ética legitimadora de discursos e práticas violentas.

Conteúdo programático

1ª Terça-insugente – 09/04

O sujeito do poder

2ª Terça-insugente – 16/04

Aliança e performatividade de gênero

3ª Terça-insugente – 23/04

Corpos que importam

4ª Terça-insugente – 30/04

Violência e éticas do reconhecimento

 

Bibliografia

Básica:

 

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: critica a violência ética. Belo Horizonte: Autêntica. 2015

BUTLER, Judith. Notes toward a performative theory of assembly. Havard. 2015

 

Complementar:

 

BUTLER. Judith. Mecanismos psíquicos del poder: Teorias sobre la sujeción. Madrid. 2004

BUTLER, Judith. “Aparence Aside” in Prejudicial Apperances: The logic of American Antidiscrminination law. Durk University Press. 2001

BUTLER, Judith. & SPIVAK. Gayatri C, Who sings the nation-state? Language, politics, belonging. British Library Cataloguing-in Publication. Calcuta – Índia. 2007

BUTLER, Judith. Vida Precária: el poder poder del duelo e la violência. Paidos Argentina. Buenos Aires. 2012

BUTLER, Judith. Gênero em disputa: el feminino y la submission de la identidad. Paidos Espanha. 2007

A quem se destina

Qualquer pessoa interessada em discussões sobre relações de gênero e sobre movimentos sociais

Precisa de bolsa? Clique aqui

Educadoras(es)

  • Jacqueline Moraes Teixeira